Estatísticas comprovam que drama atual já é maior que a II Guerra Mundial

Fonte: Gospel Prime

Por: Jarbas Aragão

refugiados

Crise mundial: número de refugiados é o maior da história
As guerras no Oriente Médio e norte da África, bem como o terrorismo islâmico são os responsáveis pela maior crise humanitária que o mundo já testemunhou. A Segunda Guerra Mundial, para efeitos de comparação, desalojou cerca de 60 milhões. Hoje o Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (Acnur) admite que passam de 65 milhões.

O 20 de junho foi estabelecido “Dia mundial do refugiado” e o Acnur chamou atenção para o seu relatório “Tendências Globais”, o qual comprova que até o final de 2015, havia um total de 65,3 milhões de pessoas deslocadas. É um aumento de quase 10% com relação ao ano anterior e a tendência é que em 2016 a situação só piore.

Em média, uma em cada 113 pessoas no mundo é, atualmente, um refugiado. Milhares atravessam pelo mar em embarcações sempre superlotadas. Quantidade similar faz a pé a travessia de país em país buscando refúgio.

A União Europeia (UE) tem recebido a maior parte dessas pessoas, mas a taxa de 100 mil por mês forçou algumas nações a fechar suas fronteiras. A opinião pública pede medidas urgentes para lidar com essa crise humanitária, que traz consigo uma sensação de insegurança para todo o mundo.

Pela Convenção internacional, refugiado é alguém que “temendo ser perseguido por motivos de raça, religião, nacionalidade, grupo social ou opiniões políticas, se encontra fora do país de sua nacionalidade e que não pode ou não quer valer-se da proteção desse país”. Hoje, as nações com o maior volume de refugiados são: Síria, com 5 milhões de refugiados; Afeganistão, perto de 3 milhões, e Somália, com mais de 1 milhão.

ONGs cristãos como a Visão Mundial estão ativamente envolvidas na recepção e cuidado dos refugiados.

“Durante uma crise prolongada, é importante garantir que as crianças tenham acesso à educação. Afinal de contas, se as crianças são o futuro, elas devem ser capazes de ler e escrever. No entanto, menos de dois por cento dos fundos de resposta de emergência vai para a educação”, afirmou um porta-voz da organização de voluntários trabalhando nos campos de refugiados em várias partes do globo.

A Portas Abertas, missão especializada em ajudar a igreja perseguida, ressalta que parte da crise de hoje é causada por questões religiosas, principalmente por causa dos extremistas islâmicos, que expulsaram milhões de cristãos de suas casas.

Segundo a missão, teme-se que o cristianismo venha a desaparecer no Iraque, por que a sua grande maioria abandonou o país. Disse ainda que mais de 7,6 milhões de cristãos foram deslocados desde o início da guerra na Síria, na tentativa dos islâmicos em estabelecer seu Califado. Com informações Christian Post

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Set your Twitter account name in your settings to use the TwitterBar Section.