A ONG cristã ‘World Vision’ (Visão Mundial) foi acusada no início do mês de ter direcionado doações ao grupo terrorista Hamas, porém um funcionário israelense contestou a acusação.

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DO CHRISTIAN POST

1682829658-hamas

Grupo terrorista Hamas, atuante na Faixa de Gaza. (Foto: Reuters)

As acusações de que um funcionário da ‘World Vision’ (Visão Mundial) em Gaza havia desviado milhões de dólares para o grupo terrorista palestino Hamas não fazem sentido, de acordo com um funcionário da ONG cristã, em depoimento ao ‘Christian Post’, em condição de anonimato.

“Eu não quero dizer que tudo sempre esteve certo, que [Halabi, o funcionário acusado de desvio] está limpo. Eu não posso afirmar isso”, disse a fonte, que vive em Israel e familiarizada com o funcionamento interno de grupos de ajuda humanitária na parte oriental de Jerusalém e na Cisjordânia. Ele acrescentou que é difícil acreditar que o empregado da ‘World Vision’ em Gaza tenha desviado 60% dos recursos orçamentais da ONG para o Hamas, dadas as frequentes práticas contábeis da Organização, que devem operar na região.

As organizações sem fins lucrativos tão grandes como ‘World Vision’ estão monitorando de perto as suas finanças e poderiam facilmente ver se que tal quantidade de dinheiro estava sendo desviada, afirmou a fonte.

Mohammed el Halabi, gerente de operações da filial de Gaza da Visão Mundial, foi acusado pelo ‘Shin Bet’ (serviços de segurança interna de Israel), no dia 04 de agosto pelo fornecimento de apoio material ao grupo terrorista Hamas, com dezenas de milhões de dólares ao longo de vários anos, com dinheiro supostamente desviado do orçamento da ONG cristã internacional.

Tais alegações levaram a ‘World Vision International’ a suspender suas operações em Gaza e alguns dos principais doadores, como o Ministério Federal da Alemanha para a Cooperação Econômica e Desenvolvimento e o Departamento de Relações Exteriores e Comércio da Austrália, também retiraram o seu apoio até que a investigação completa seja concluída.

Em um comunicado publicado on-line na última segunda-feira, o CEO da ‘World Vision International’, Kevin Jenkins disse que o orçamento operacional acumulado por sua base em Gaza durante os últimos 10 anos foi de aproximadamente 22,5 milhões de dólares, o que faz com que “o alegado valor de até 50 milhões desviados seja difícil de se comprovar”. Ele acrescentou que, até 2014, Halabi teve acesso apenas a “partes das situações orçamentais e de gestão de Gaza”, não estando autorizado a assinar despesas acima de $15.000 e afirmou que os números não batem.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Set your Twitter account name in your settings to use the TwitterBar Section.