Quem abandona o islamismo enfrenta duras perseguições por causa do seu testemunho

FonteGopelPrime

por Jarbas Aragão

Missionários espancados por muçulmanos estão desaparecidos

Três missionários que trabalham na missão Bibles for Middle East [Bíblias para o Oriente Médio] desapareceram no dia 14 de junho. Stephan (32), Samuel (29) e James (30) são ex-muçulmanos que fazem trabalhos de evangelismo desde que conheceram a Jesus.

Eles foram brutalmente atacados por um grupo de extremistas islâmicos na saída de um culto. Levados ao hospital com ferimentos graves, receberam atendimento na emergência, mas pediram para ser liberados dois dias depois. Segundo o pastor Paul Ciniraj, que dirige a missão, eles afirmavam estar sendo vigiados no local e não se sentiam seguros.

Testemunhas relatam que eles pegaram um táxi na frente do hospital. Um deles ligou para avisar que chegariam em casa dentro de 45 minutos. Desde então, não foram mais vistos. Acredita-se que foram sequestrados e que o motorista do táxi pode ter ligações com o grupo que os atacou antes.

A Bíblias para o Oriente Médio, que distribui literatura cristã em 17 países daquela região do globo, está convocando cristãos para uma campanha de em oração e favor dos missionários desaparecidos e de suas famílias. Por motivos de segurança, não será divulgado o país onde isso ocorreu. Há três meses, uma voluntária que cooperava com o trabalho da missão na Líbia foi sequestrada por terroristas. Até agora não há notícias sobre o que aconteceu com ela.

Retaliação por batismos

O caso dos três missionários chama a atenção para as dificuldades enfrentadas por quem abandona o islamismo. Stephan, Samuel e James não são os seus nomes de verdade. Foram adotados por eles após a conversão. A prática é adotada por alguns convertidos em nações onde o nome que a pessoa recebe está intimamente relacionado com sua religião.

No dia 10 de junho, a igreja em que eles cooperavam realizou o batismo de 12 novos crentes. Todos eram de famílias muçulmanas e estavam sofrendo ameaças. Provavelmente o sequestro possa ser uma espécie de retaliação.

Os três voltavam para casa após um culto de oração. No caminho, encontraram uma pessoa e começaram a falar com ela sobre Jesus Cristo, enquanto liam versículos bíblicos.

Muçulmanos que passavam pelo local viram o que eles estavam fazendo e passaram a agredi-los com barras de ferro. Além de rasgar e jogar fora as Bíblias, gritavam que iriam matá-los se eles não parassem de falar sobre sua fé. É provável que foram esses mesmos homens que planejaram o sequestro. Com informações de WND

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Set your Twitter account name in your settings to use the TwitterBar Section.