1688841220

Mas vós, continuou ele, quem dizeis que eu sou? Respondendo Simão Pedro, disse: Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo. (Mateus 16:15-16)

Neste mês de Julho, temos a chegada das Casas de Paz. E a pergunta sempre é a mesma todos os anos: Como faremos para testemunhar sobre Jesus? O que é necessário para que descubramos as pessoas sedentas ao nosso redor? Como manter na Casa de Deus aqueles que foram alcançados?

Ao olhar para a pergunta que Jesus fez aos seus discípulos no texto acima, gostaria de te perguntar: Quem é Jesus para você? Dessa resposta depende a sua vida! O conceito que temos das pessoas determina o conceito, o valor e a atitude que apresentamos diante delas. E a atitude que temos diante das pessoas determina o nível de importância do seu relacionamento para com elas.

“E vós, quem dizeis que eu sou?”  Esta pergunta de Jesus não era sem propósito. Da revelação de sua identidade na vida dos discípulos dependia a edificação de uma igreja vencedora. Ao longo do ministério de Jesus, encontramos pessoas com conceitos parciais e distorcidos a respeito da Sua identidade. Alguns o viam apenas como um bom mestre, outros como um homem sábio, outros como um milagreiro, um curandeiro, um bom homem ou, até mesmo um charlatão, um impostor que enganava as pessoas a mando de Belzebu. Em nossa sociedade não é diferente, mas, e nós, qual o nosso conceito sobre quem Ele é?

Pedro, diante de uma pergunta tão séria e profunda, responde: “Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo”. E, por que essa revelação é tão tremenda? Ao dizer “tu és o Cristo”, Pedro estava reconhecendo a missão e o alto preço que Jesus teria que pagar para salvar-nos da morte eterna.

Quando nós declaramos: “tu és o Filho de Deus”, fruto de uma verdadeira revelação do Espírito em nós, reconhecemos seu caráter único e divino. Jesus é o Unigênito, aquele que tem o DNA do Pai. Não simplesmente um homem especial ou um “espírito evoluído”, mas o Deus que se fez homem, Ele é “o Filho do Deus vivo”. Entendendo e confessando essa verdade, proclamamos seu poder e sua graça para conosco. Diante da confissão de Pedro, da revelação que ele verbalizou, Jesus reagiu: “Bem-aventurado és, Simão Barjonas, porque não foi carne e sangue que to revelaram, mas meu Pai, que está nos céus!” (vs. 17). É essa revelação que nos leva a amar, testemunhar e nos mover em direção aos perdidos, sem temer retaliações. A igreja vencedora é edificada sobre esta verdade, pessoas que sabem quem é o Senhor das suas vidas, e pelas quais as portas do inferno não resistem – “Também eu te digo que tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha igreja, e as portas do inferno não prevalecerão contra ela” (vs. 18).

Os que enxergam Jesus como ele é recebem as chaves do reino. Uma autoridade sobrenatural que é liberada, a partir dessa revelação – “o que ligares na terra terá sido ligado nos céus; e o que desligares na terra terá sido desligado nos céus” (v. 19b).

            Definitivamente, identificar bem o Senhor é uma das coisas mais importantes de nossa vida! Quem Ele é para você? Você está disposto a compartilhar essa revelação? Ser cheio de ousadia para testemunhar? Crer que o que ligarmos na terra será ligado nos céus? Que não sejamos tomados por nenhuma atitude passiva, mas com intrepidez testemunhar com alegria a revelação que Ele nos deu. Para uma sociedade com uma visão distorcida, cremos que o Senhor está levantando a Sua igreja para testemunhar quem é Jesus: o Filho do Deus Vivo.

Deus te abençoe!

 

Pr. Samuel de Sousa Junior