A visão do pastor presbiteriano Hernandes Dias Lopes sobre a junção entre a teologia protestante e a pentecostal vem chamando a atenção de milhares de internautas nas redes sociais.

FONTE: GUIAME

2383541343-

Hernandes Dias Lopes é pastor titular da Primeira Igreja Presbiteriana de Vitória (ES). (Foto: Reprodução)

A visão do pastor presbiteriano Hernandes Dias Lopes sobre o equilíbrio entre a teologia protestante e a pentecostal vem chamando a atenção de milhares de internautas nas redes sociais.

O vídeo de uma entrevista concedida pelo pastor no programa “Trocando Ideias”, exibido pela LPC TV no dia 28 de outubro de 2013, voltou a ser comentada no Facebook e foi visualizada por mais de 44 mil pessoas desde a última quinta-feira (11).

Na ocasião, o Rev. Cláudio Martins levou à Hernandes a seguinte pergunta de um dos telespectadores: “Fui influenciado pela teologia reformada, mas sou assembleiano. Na minha igreja, tal teologia não é admirada. Por que os pastores pentecostais não partilham dessa teologia?”

“Eu acredito que por não conhecerem”, responde Hernandes, que é pastor titular da Primeira Igreja Presbiteriana de Vitória (ES). “Há uma confusão das pessoas de acharem que a teologia reformada não tem nenhuma ligação com a piedade, com o fervor, com o avivamento, com a busca do Espírito Santo, com a vida de oração, com a santificação, com a vida plena de Deus.”

Hernandes acrescenta que as igrejas protestantes no Brasil precisam voltar às suas origens, pois perderam o fervor ao preservar a ortodoxia. “Não tem coisa melhor do que ter uma teologia reformada regada com óleo, com a unção, com fervor, com entusiasmo, com vibração, com paixão, com a vida plena do Espírito Santo de Deus”, aponta.

“O que nós precisamos é do que Martyn Lloyd-Jones colocou, é não separar o que Deus uniu: ortodoxia e piedade, teologia e vida, credo e conduta. É manter essa verdade regada com o óleo do Espírito. Essa junção da teologia reformada com a unção, com o fervor pentecostal, isso é uma coisa fenomenal”, acrescenta o pastor.

“Nós temos uma teologia magnífica, mas tem muita gente engessando essa teologia. Ela precisa ser cheia de entusiasmo e fervor espiritual”, finaliza.

Assista a entrevista completa:

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Set your Twitter account name in your settings to use the TwitterBar Section.