Os comentários vêm após uma série de ataques contra os cristãos, especialmente na região de Minya, lar de uma proporção relativamente elevada de cristãos coptas.

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DO CHRISTIAN TODAY

1690192940-abdel-fattah-al-sisi-presidente-do-egito

O Egito tem uma população estimada em 9 milhões de cristãos. (Foto: Reprodução).

O presidente do Egito elogiou os cristãos do país por demonstrarem “sabedoria e espírito de patriotismo”, em resposta aos sofrimentos e provocação infligidos sobre eles nos últimos anos. Abdel Fattah al Sisi prestou uma homenagem aos cristãos por permanecerem unidos diante aqueles que “tentaram explorar a religião como um meio de fomentar a divisão e espalhar ideias extremistas”.

O presidente estava falando como ele recebeu a visita do patriarca ortodoxo copta Tawadros II no palácio presidencial com uma delegação incluindo vários Bispos. Abdel enfatizou o valor das ligações entre cristãos e muçulmanos no Egito, e agradeceu iniciativas desenvolvidas pela Cada da Família Egípcia, um órgão de cooperação inter-religioso formado para prevenir os confrontos sectários.

Os comentários vêm após uma série de ataques contra os cristãos, especialmente na região de Minya, lar de uma proporção relativamente elevada de cristãos coptas. No início deste mês, a polícia prendeu 15 pessoas depois de um ataque incendiário em casas pertencentes a cristãos coptas em uma aldeia do Alto Egito.

Dias antes, o arcebispo ortodoxo copta de Minya, Anba Makarios convocou a polícia para fazer cumprir a proteção dos cidadãos contra a violência sectária, dizendo que os ataques estão ocorrendo em uma média de uma a cada 10 dias. No dia 5 de Julho, uma freira cristã ortodoxa de Mar Girgis, Mosteiro no Cairo Antigo foi morta depois de supostamente ser atingida por uma bala perdida na estrada de Cairo para Alexandria.

Em Junho, outros exemplos mostram o aumento de um cenário de violência, como o assalto a casas de famílias cristãs na aldeia de Karm el Loofy, a queima de um jardim de infância dirigido por cristãos em Minya e o assassinato que aconteceu no dia 30 de junho de Rafael Moussa, um padre copta ortodoxo da igreja de St George.

Em maio, também em Minya, uma mulher cristã de 70 anos de idade – acusada de ser a mãe de um homem que foi supostamente se envolveu com uma mulher muçulmana – foi despida por uma multidão de 300 muçulmanos que fizeram ela desfilar pelas ruas da sua aldeia.

As tensões entre cristãos e muçulmanos se intensificaram no país desde a primavera árabe de 2011. O pior incidente ocorreu em fevereiro de 2015, com as decapitações de 21 trabalhadores cristãos egípcios, promovidas pelo Estado Islâmico.

O Egito tem uma população estimada em 9 milhões de cristãos. Principalmente coptas ortodoxos, que representam cerca de 10% da população do Egito, que é predominantemente muçulmana sunita.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Set your Twitter account name in your settings to use the TwitterBar Section.