A proposta do governo de padronizar os sermões de sexta-feira, nas mesquitas, foi rejeitada pelos muçulmanos; a ideia era evitar os discursos que estimulam a violência contra os cristãos

15_Egypt_2016_0060100133

Ultimamente, algumas notícias estão alertando sobre as ações violentas contra os cristãos, vindas de grupos extremistas islâmicos no Egito. Faz pouco tempo que um dos líderes cristãos atuantes no país foi morto enquanto ministrava em um culto, numa igreja que fica no Norte do Sinai. Declarando a jihad (luta islâmica), esses militantes têm agredido os cristãos de várias formas, com a finalidade de exterminar com o cristianismo no país.

Como uma tentativa de evitar que esses ataques continuem, o governo egípcio tentou controlar os discursos religiosos nas mesquitas, através de uma padronização dos sermões de sexta-feira. Se desse certo, essa seria uma forma de evitar que os líderes extremistas incentivassem a violência contra a igreja no país. Em vez disso, a proposta foi negada pelo Conselho de Idosos Scholars de Al-Azhar, um dos principais centros do mundo muçulmano para a aprendizagem islâmica.

Os líderes muçulmanos acreditam que os sermões escritos com antecedência e entregues semanalmente nas mesquitas de todo o país, faria com que os pensamentos dos imãs fossem superficiais e seus discursos religiosos frios. “Já era de se esperar que os muçulmanos rejeitariam a proposta do governo. A iniciativa já estava sendo questionada antes mesmo de ser lançada”, comentou um dos analistas de perseguição. O futuro da igreja no Egito continua incerto. Ore por essa nação.

FonteTheGuardian

ViaPortasAbertas

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Set your Twitter account name in your settings to use the TwitterBar Section.